search.noResults

search.searching

note.createNoteMessage

search.noResults

search.searching

orderForm.title

orderForm.productCode
orderForm.description
orderForm.quantity
orderForm.itemPrice
orderForm.price
orderForm.totalPrice
orderForm.deliveryDetails.billingAddress
orderForm.deliveryDetails.deliveryAddress
orderForm.noItems
5. Conclusão


Os registros públicos, dentre as diversas fi- nalidades, são instrumento de conservação histórica da construção e desenvolvimento da pessoa e seu patrimônio perante o Estado. As informações contidas nas inúmeras serventias extrajudiciais do País são de valor histórico inestimável, com enorme potencial para me- lhor compreensão da sociedade nacional e do quadro real do patrimônio dos brasileiros e estrangeiros no País. Limitada a relevância dos registros públicos


a especialidade de imóveis mostra-se seguro afirmar que toda transformação patrimonial de reconhecimento jurídico-legal é de compe- tência funcional, análise e guarda dos regis- tradores de imóveis. Reconhecida a valia destas informações


e sua importância para o Estado na defesa das leis e do interesse público mostra-se in- dispensável no mundo moderno, tomado de tecnologia, a concentração de dados em uma plataforma única. A criação do SINTER (Decreto 8.764/2016), segundo disposição da Lei 11.977/2009, terá por objetivo a concentração de informações exatamente em uma plataforma única – para consulta e verificação de dados pela admi- nistração pública e demais usuários – o que sem dúvida poderá gerar maior controle da Receita Federal e demais usuários (como, por exemplo, do Poder Judiciário) quanto ao co- metimento de fraudes à execução, fraudes fis- cais, sonegações de patrimônio no momento do cruzamento de dados. O sucesso do sistema depende do empenho


dos registradores no auxílio e desenvolvimen- to do SINTER, bem como da alimentação tem- pestiva dos dados solicitados (única obrigação legal a justificar qualquer apuração punitiva administrativa) e também da Receita Federal no custeio, manutenção, estruturação do ban- co de dados e, principalmente, na sensibilida- de de perceber a complexidade do serviço ex- trajudicial realizado por aqueles profissionais em âmbito nacional (inclusive com realidades distintas de desenvolvimento). Assim, em resumo, é possível afirmar que


da Lei 11.977/2009, entende-se que apenas a não alimentação do sistema pelo registrador autorizará a apuração de falta administrativa, pois todo o mais não contará com amparo legal para tanto, sendo descabido qualquer passo do Manual Operacional neste sentido, inclusive.


Entretanto, vale pontuar que o banco de da-


dos desenhado pelo Decreto 8.764/2016 só alcançará o sucesso pretendido com a diligen- te colaboração dos registradores de imóveis, pois apenas um sistema seguro e atualizado excluirá falhas na leitura dos dados pela Re- ceita Federal e demais usuários. A participação dos registradores de imóveis


é fundamental no atual estágio de criação do SINTER, em princípio, nos seguintes passos:


1. Demonstração do atual momento de infor- matização dos registros de imóveis de cada estado à Receita Federal para melhor com-


preensão e desenvolvimento de plataforma compatível com as características diversas e prazo razoável para alimentação do sistema;


2. Contribuição indispensável no desenvolvi- mento do sistema e também na padroniza- ção do formato do “documento nato digitais estruturados que identifiquem a situação jurídica do imóvel, do título ou do documen- to registrado” (art. 5º do Decreto);


3. Participação nas comissões temáticas para auxiliar na confecção do Manual Operacio- nal – documento normativo estrutural do sistema;


4. Treinamento dos registradores de imóveis do país no preenchimento da informação que deverá ser enviada para o SINTER.


Nota-se, portanto, que a valiosa contribui-


ção dos titulares das serventias extrajudiciais será indispensável para estruturação e desen- volvimento do SINTER pela Receita Federal.


a atuação conjunta, cooperativa e bem estru- turada entre todos os protagonistas do sis- tema será a chave do funcionamento efetivo do banco de dados idealizado pelo Decreto 8.764/2016 – SINTER.


[1] Provimento n° 47/2015 do CNJ. O regramento administrativo para o funcionamento do Registro Eletrônico de Imóveis no Estado de São Paulo é encontrado nas Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, Capítulo XX, Seção XI, dos itens 314 a 407.


Alberto Gentil de Almeida Pedroso é juiz de Direito, auxiliar da Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo (CGJ-SP), especialista e mestre em Direito pela Fadisp/SP


Cartório com Você 35


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80