This page contains a Flash digital edition of a book.
EXPANSÃO


A Tagima não para U


ESTRATÉGIA ADOTADA PELA TAGIMA FORNECE BASES SEGURAS PARA CRESCER MESMO EM TEMPOS DE CONGELAMENTO DO MERCADO. AGORA A EMPRESA AMPLIA SUAS LINHAS, LANÇA SUA FAMÍLIA DE AMPLIFICADORES E APRESENTA A DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA DA FISHMANN NO BRASIL


ma das maiores marcas de instrumentos musicais no Brasil não dá passos incertos


em busca de um futuro de crescimento constante. Desenvolvimento este, ali- ás, que ocorre desde 1996, quando Ney Nakamura comprou a marca e levou à empresa toda a sua experiência geren- cial decorrida de anos trabalhando na indústria automobilística. Adicionar, há dez anos, Marco Vignoli em sua


equipe de vendas, assim como Márcio Zaganin pouco tempo depois — e já então respeitado luthier — trouxe di- ferentes atributos para levar os instru- mentos e a marca a outros níveis com- petitivos no Brasil, tanto em termos comerciais como de qualidade. Assim, quando guitarras e violões


alcançaram um espaço de destaque e de liderança no mercado, eis que surge a Nagano, marca de bateria da Marutec


Tagima Amplifi ers A Tagima Amplifi ers inicia seu trabalho no mercado com sete modelos


de combos: quatro para guitarras, chamados de Black Fox; e três para contrabaixo, a linha Uranio. Suas indicações variam desde para uso do estudante, com 20 W, até o amplifi cador de 100 W, para uso com guitar- ra. E de baixo, de 30 até 200 watts. Estão previstos diversos outros modelos até o fi m do ano. Confi ra as características de dois modelos da linha.


Black Fox 100 (Guitarra) ✓ Alto-falante 12”


✓ 100 watts ✓ Saída de linha ✓ Footswitch


✓ Canal limpo equalização independente


✓ Canal drive equalização independente ✓ Reverb de mola


Uranio Bass 30 (Contrabaixo) ✓ Alto-falante 8”


✓ 30 watts ✓ Saída para fone de ouvido ✓ Entrada passiva ou ativa


— empresa-mãe que congrega todas as marcas ligadas à Tagima —, que a cada dia está garantindo o seu lugar ao sol. Não se engane, nada é feito de ma-


neira impulsiva. Tudo é meticulosa- mente estudado, medido, analisado, projetado e colocado em ação com foco em marketing e agressividade. Isso porque nem citamos a N.Zaganin (empresa de instrumentos custom em sociedade de Nakamura e Zaganin), a Custom Guitars (marca de acessórios da Marutec, com sociedade de Vignoli, Nakamura e Zaganin) e Tag Sound, de microfones e produtos eletrônicos. Agora a empresa dá outro passo


e disponibiliza ao mercado a sua fa- mília de amplifi cadores, a Tagima Amplifi ers. “Um diferencial é que não estamos entrando com um mode- lo, mas uma linha. Já de início, hoje, para pronta entrega, eu tenho sete modelos”, conta Vignoli. Nakamura também aponta outro importante di- ferencial: “O bacana é que os amplifi - cadores da Tagima são feitos no Brasil, em São Paulo, no processo OEM”. Para eles, além dos benefícios ób-


vios de fornecimento do produto, a fabricação no Brasil possibilita me- lhor pós-venda e assistência técnica. “Tudo isso dá uma segurança tanto para o lojista quanto para o consumi- dor fi nal”, destaca Vignoli.


A posição é clara Sobre posicionamento no mercado, am- bos os executivos são claros: os ampli- fi cadores não competirão com os pro-


76 www.musicaemercado.com.br @musicaemercado fb.com/musicaemercado


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104