This page contains a Flash digital edition of a book.
aprimoramentos em sua área de produ- ção. Novas pesquisas e desenvolvimen- tos surgem a cada dia e isso é sempre incorporado em nossa indústria. Somos pioneiros na percussão. Sempre temos novos projetos e lançamentos a cami- nho. Este é o nosso estilo e modo de ser.


O seu negócio é o samba? Ainda é o período do carnaval o mais importante para a Gope? Não. Temos uma demanda distribuí- da ao longo do ano. O carnaval é ape- nas o período de maior visibilidade do negócio no mercado em geral, mas não representa mais o melhor perío- do como antigamente.


Na sua visão, qual é a grande diferença do mercado de hoje para o dos anos iniciais da Gope? No geral, piorou muito. Antes a concor- rência era menor. Hoje o preço é que dita regras.


Qual é a principal peculiaridade do mercado de percussão? Procuram preço, não qualidade. Pro- curamos oferecer o que a Gope tem de melhor, qualidade, tradição, sonoridade e respeito pelo seu público. Preço não é o nosso foco e sim a garantia da satisfa- ção daquele que adquirir a marca Gope. Claro que sempre com competitividade.


Qual é a realidade da Gope hoje, tanto para o mercado doméstico quanto para o internacional? É estável com pequeno crescimento. A Gope tem grande penetração e reco- nhecimento no mercado internacio- nal, o que tem facilitado o aumento nas exportações.


Como o senhor analisa a indústria brasileira hoje? Quais são os principais desafi os da produção nacional? Muito dividida com a entrada de produ- tos chineses. A produção nacional tem o


AS BATERIAS ERAM O CORE-BUSINESS DA EMPRESA EM SEU COMEÇO, HÁ MAIS DE 50 ANOS


SEDE DA EMPRESA EM EMBU-GUAÇU, SÃO PAULO


desafi o de manter a qualidade, manter- -se ativa e não se deixar levar pela pres- são do mercado em abaixar preços e fa- zer cair o padrão de seus produtos.


Com preços tentadores via OEM, por que o senhor optou por manter a fabricação no Brasil? Não nos deixamos levar pela pressão externa. Nossa origem é nosso maior valor. Sempre prezaremos por nossa tradição. Tradição é a transmissão de práticas ou de valores de geração em geração. Esse é o nosso lema.


Vocês têm concorrentes com o mesmo perfi l de fabricação nacional e fortes no segmento. Como lidam com a concorrência? Há mercado para todos que sabem trabalhar direito e se respeitam. Com trabalho e dedicação, cada um ocupa o seu espaço. A concorrência é sem- pre bem-vinda.


Qual é o diferencial da Gope? Estabelecida há mais de 50 anos, man- tém hoje o status de tradição e qualida-


www.musicaemercado.com.br


de. Quem busca Gope não quer apenas um produto e sim tudo que essa marca traz agregado: um estilo diferente de ser, um quê especial, um modo de vida todo próprio. Isso se traduz pelo slogan atual da marca: ‘Só quero Gope’.


Qual é a expectativa para o mercado em 2014? Contamos com a organização governa- mental do País. Sempre com expectati- vas favoráveis.


Qual é o futuro da percussão no Brasil e no mundo? Sempre visamos o crescimento com fl exibilidade para adaptação ao que o meio nos oferece. Este é o segredo do sucesso ao longo de nossa história. n


GOPE Tel.: (11) 4661-7000 gopepercussion.com.br


@musicaemercado fb.com/musicaemercado 59


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104