This page contains a Flash digital edition of a book.
EMPRESA A tradição da Gope


JÁ SE VAI MAIS MEIO SÉCULO DE HISTÓRIA. DO ACORDEÃO, PASSANDO PELO SOPRO, BATERIA E CHEGANDO À PERCUSSÃO, CONHEÇA A HISTÓRIA DA GOPE E UM POUCO DO CONHECIMENTO DE SEU FUNDADOR, HUMBERTO RODELLA


to Rodella, fundador da marca, criava acordeões no país, ofício que continuou a realizar ao migrar para o Brasil. O pai de Humberto, outro grande luthier, era especializado em instrumentos de so- pro, mas por forças do destino criou sua primeira bateria artesanal: o primeiro produto de grande sucesso da marca. Foi com as baterias que a Gope al-


A


çou fama, principalmente após estas se tornarem o instrumento ofi cial das apresentações musicais nos festivais da Record na década de 1960. Inclusive, alguns consideram esse acordo como o primeiro contrato real de merchandi- sing na história da televisão brasileira. Na época, os negócios também já


haviam sido ampliados e a empresa fa- bricava alguns instrumentos percussi- vos para bandas de escolas de samba da região em que fi cava a sede da compa- nhia, na capital paulista. Com o sucesso de seus produtos, a empresa foi amplian- do também sua área fabril e já há alguns anos está em pleno funcionamento em


história da Gope remonta à Itália há duas gerações passa- das, quando o avô de Humber-


um espaço de mais de 10 mil m2 em Em-


bu-Guaçu, na Grande São Paulo. As baterias já não são mais fabrica-


das, sendo o core business atual da em- presa os instrumentos e acessórios de percussão, com centenas de produtos em seu portfólio. O marketing, assim como foi no co-


meço, ainda é um aspecto levado a sério. Além de uma boa política de endorse- ment — nomes como Olodum, Oswal- dinho da Cuíca, Dudu Nobre, Douglas Las Casas, Leandro Sapucahy, Grupo Trio Preto, Nenê Brown e outros fazem parte desse time —, a empresa reali- za workshops e apoia casas de shows, sambistas mirins, diversas escolas de samba, além de incentivar encontros entre os sambistas, abertos ao público, com rodas de samba semanais em seu showroom, no centro de São Paulo. A tradição com a marca é tanta que o


fundador Humberto Rodella é chamado no meio musical de Papa da Percussão. Ofi cialmente, o ano de fundação da em- presa é 1962; de lá para cá mudanças no País e no comércio foram pontuais tam- bém na história da Gope. Quem conta é


Nossa origem é nosso maior valor [...] Tradição é a transmissão de práticas ou de valores de geração em geração. Esse é nosso lema


58 www.musicaemercado.com.br @musicaemercado fb.com/musicaemercado


INSTRUMENTOS GOPE EM BANDA MARCIAL


o próprio diretor-presidente da empresa, Humberto Rodella, que também oferece seu conhecimento com a experiência adquirida em meio século de mercado.


Qual foi a mudança mais importante na história da Gope? Deixar de fabricar as baterias foi uma grande mudança da empresa e o redi- recionamento do negócio para a área de percussão. Mudou-se a área de foco, porém permaneceram a qualidade e o objetivo de sempre oferecer o melhor aos seus clientes.


Qual é a principal novidade da empresa hoje? A forma como os instrumentos são fabri- cados. A Gope sempre busca inovações e


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104