This page contains a Flash digital edition of a book.
de meios que podemos utilizar, devemos levar em consideração o quanto temos de recursos para investir. Por essa razão, também teremos uma classificação mi- diática de acordo com o envolvimento da empresa e o investimento necessário. Vejamos, a empresa pode desen-


volver um trabalho de mídia própria, em que a marca possui total controle de sua comunicação e o respectivo direcionamento (site, mídias sociais). Também pode ser desenvolvido um trabalho de mídia adquirida, em que a marca se torna pauta de discussões em diversos veículos da impressa e eletrônicos, por exemplo (exposição espontânea, buzz, assessoria de im- presa), quando a marca não precisa de nenhum investimento financeiro e pode ter lucros que chegam à casa dos milhões de reais. Além de, é claro, a mídia paga contratada pela empresa.


Mão na massa Um bom plano de mídia segue estra- tégias que indiquem qual o veículo de maior influência para o público-alvo da marca, tendo como base diversas infor- mações, como o estilo de vida, hábitos e comportamento, renda e os desejos desse público. Seja mídia impressa ou eletrônica, o tipo de público que se quer atingir é um dos principais fatores que devem ser observados. Apresentadas as possibilidades de


mídia, conhecendo o produto e para quem se destina, feitas as pesquisas sobre o cenário mercadológico onde foram mapeadas as ações da concor- rência, levantamos os objetivos que podem estar relacionados ao posicio- namento de marca, engajamento do público-alvo, aumento do volume de vendas, entre outros fatores. A partir disso, iremos desenhar a


estratégia, em que selecionaremos de forma criteriosa os meios e os veículos de comunicação conforme o potencial de consumo do público-alvo. Por exemplo, tenho uma loja dedica-


da a vender acessórios de instrumentos de sopro. Terei um resultado satisfatório se anunciar em uma revista de guitarra com o intuito de realizar uma campa- nha de promoção de vendas? Possivel- mente, não. Caso eu anuncie em sites especializados em produtos de sopro, fó- runs de discussão na internet dedicados a instrumentistas de sopro e veículos de comunicação dedicados a esses instru- mentistas, meu resultado será melhor. O meio eletrônico, neste caso, ge-


rará mais retorno para a loja, pois o impacto da mensagem nesse tipo de mídia é imediato, muitas vezes dire-


cionando automaticamente o músico para a loja. Um anúncio em um veícu- lo impresso não garante a velocidade necessária para uma promoção de vendas, ainda mais se for um veículo dedicado a outro instrumento. Após definir estrategicamente os


meios, surge a preocupação com a tá- tica, quando iremos observar a utilida- de de cada veículo de comunicação na campanha, sempre aliado com o obje- tivo traçado. Seguindo o exemplo ante- rior, se o lojista especializado em instru- mentos de sopro que deseja anunciar em uma revista dedicada ao universo gui-


Um exemplo de campanha bem-sucedida: publicidade do Boticário que mexe com a autoestima das pessoas


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104