This page contains a Flash digital edition of a book.
Vegetarianismo | Saúde


Alimentação Vegetariana


A alimentação vegetariana pode ser uma opção saudável, desde que bem planeada.


A


evolução dos nossos hábitos alimentares ao longo dos anos tem vindo a sofrer profundas


transformações: consumimos cada vez mais carne e produtos de origem animal (como ovos e lacticínios), pro- dutos demasiadamente processados e com elevado teor de gordura, açú- car e sal; e cada vez menos produtos de origem vegetal, sobretudo frescos. Grande parte destes hábitos têm con- tribuído, nas últimas décadas, para o aumento da prevalência de diversas doenças, tais como a obesidade, a diabetes, as doenças cardiovascula- res ou mesmo certos tipos de cancro. Pode o vegetarianismo ser uma op- ção alimentar saudável?


No Oriente, são inúmeras as popu- lações que subsistem com hábitos alimentares baseados em produtos hortofrutícolas, cereais e sementes, excluindo o consumo de todo o tipo de carne e peixe. As razões são diversas, não só fundamentadas pela religião ou cultura, como motivadas por convic- ções éticas e/ou ecológicas. Porém, a saúde não pode deixar de ser con- siderada como um dos motivos mais importantes na adopção desta prática alimentar.


Existem, de facto, diversos tipos de vegetarianismo, uns mais extremos do


que outros. Contudo, tal como defen- de a American Dietetic Association, as dietas vegetarianas bem planeadas (incluindo as dietas totais ou vegan) são consideradas opções saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem trazer diversos benefícios à saúde, tanto a nível da prevenção, como no tratamento de diversas doenças. Apesar de ser um regime milenar, a palavra “vegetarianismo” surge, pela primeira vez, na primeira década do séc. XIX, com a fundação da Vegeta- rian Society, no Reino Unido, pioneira na desmistificação de diversos pre- conceitos infundados acerca da práti- ca vegetariana ao longo dos tempos. O vegetarianismo é, actualmente, considerado uma opção saudável, cujos princípios nutricionais básicos assentam no consumo de produtos de origem vegetal, incluindo os vegetais e frutos, os cereais integrais, as legu- minosas e derivados de soja (como o tofu ou o tempeh), as sementes e ole- aginosas, as algas e, em alguns tipos de vegetarianismo, os produtos de origem animal, como os ovos e os lac- ticínios. Os diversos tipos de vegeta- rianismo incluem: os ovo-lacto-vegeta- rianos, que comem ovos e lacticínios; os lacto-vegetarianos, que comem lacticínios, mas não comem ovos; os


87 Setembro 2011


ovo-vegetarianos, que comem ovos, mas não lacticínios; os vegan, que excluem todos os produtos de origem animal, chegando mesmo a eliminar o mel e a gelatina (de origem animal) da sua dieta; os frugíveros, que se alimentam exclusivamente de frutos, grãos e sementes; os crudíveros, que se alimentam exclusivamente de ali- mentos crus; e os pixi-vegetarianos, que consideram o consumo ocasional de peixe e outros produtos de origem marinha.


Como em todos os regimes alimen-


tares, o vegetarianismo deve, no en- tanto, ser uma opção equilibrada e variada, para providenciar um aporte energético e nutricional adequado, sendo, por este motivo, importante consultar um nutricionista caso opte por se tornar vegetariano.


Alguns vegetarianos famosos: Al-


bert Einstein, Dalai Lama, Mahatma Gandhi, John Lenon, Tolstoy, Moby, Paul MacCartney, entre outros. Próximo artigo: Princípios nutricio- nais de uma alimentação vegetariana equilibrada.


Brígida Peres Ribeiro


Nutricionista | Aconselhamento Alimentar Tel.: 919 129 331


brigida.ribeiro.nutri@gmail.com


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100