This page contains a Flash digital edition of a book.
Kickbpxing


adrenalina a nossa energia... m alto ritmo de combate”


“Puxa, que dor de cabeça...mas sei que se for treinar fico melhor...mais leve e bem disposta!”


“Tenho testes para ver e ainda uma fi- cha para fazer para os 5º anos, mas vou ao treino para recarregar as baterias.”


“O quê?!? Ficar em casa?!? E per- der o meu treino por causa do jantar?!? Nem pensar. Primeiro vou ao treino, levo o miúdo comigo e depois volto, faço a sopinha e acabo o meu dia em beleza.”


ESPÍRITO INDOMÁVEL


Nascido e desenvolvido em França na década de 80 pela mão de Jean Luc Kito- co, o Aerokick rapidamente se tornou numa forma de praticar a modalidade, com ele- vado ritmo cardiovascular, mas retirando a componente do combate.


Em Paris, em 1985, esta modalidade co- nheceu um “Boom” devido ao facto de as


Publicidade


pessoas encontrarem nos treinos toda a exi- gência de um desporto de combate, sem a componente do contacto, algo que afastava muitas vezes as pessoas dos Dojos. Mais ou menos coreografado, com ou sem Step, o Aerokick assenta os seus prin- cípios filosóficos no esforço, na dedicação, no Fair-Play e no espírito indomável, todos eles característicos do Kickboxing.


Esta conjugação de factores, todos eles muito concretos e com objectivos bem defi- nidos, faz com que a fidelidade aos treinos por parte das atletas, seja enorme com al- gumas das lutadoras a terem actualmente 10 anos de treino consecutivo. Será que eu podia viver sem os treinos


de Aerokick ? Podia...mas não era a mesma coisa !!


61 Setembro 2011


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100