This page contains a Flash digital edition of a book.
BTT


F


oi assim mais um ano a prova de BTT Dão Nelas.


Dia chuvoso, este verão aconte-


ceu chuvinha à partida, mas às 9,horas quase todos alinhados devido a um pe- queno atraso na entrega dos dorsais, que este ano foram entregues no pró- prio dia, e complicou um pouco a es- trutura. Percurso muito duro, mesmo daque- les que o pessoal gosta, que começou com uma volta à bonita Vila de Nelas (Coração do Dão). Deixando o alcatrão rolou-se em terra batida e ainda com o pelotão compacto, deu-se o primeiro engarrafamento, à en- trada do primeiro single track. Percurso muito bem marcado, com uma vista sobre as vinhas da região na primeira parte, depois a tristeza das ter- ras queimadas, por pessoas, que cer- tamente não gostam dos seus filhos e queimam-lhes o futuro. Após o primeiro abastecimento en-


trou-se na parte mais técnica, galgando muita pedra e descidas, que devido à chuva que caiu nos dias anteriores e no próprio dia, as tornaram perigosas mas que dão gozo, e aumentou a adrenalina, a quem as sabe descer.


Depois do segundo abastecimento o


percurso foi mais rolante, possibilitando uma maior velocidade e um menor es- forço que no final de 70km até agrade- cemos.


Nos abastecimentos notou-se algu- mas falhas para os mais atrasados, que reclamavam por algo mais. Uma situa- ção que a organização reconheceu ir rever e a ter em consideração, pois to- dos merecem o mesmo tratamento. Poucas quedas e muita satisfação na hora de passar a linha da meta, que es- tava situada no Largo da Câmara, onde paralelamente decorria a feira do vinho e da vinha.


Quem não teve pedalada para a ma- ratona, e meia maratona, participou num passeio guiado até à freguesia de Santar e foram brindados no Palácio dos Cunhas, com um espumante da re-


Mais uma participação do CD Asas Milénium - O Praticante, da esqª para a dtª Helder Henriques, David Silva, Lurdes Henriques, Tiago Henriques


51 Setembro 2011


gião e umas tapas, visitaram o quartel da Cruz Vermelha e rolaram por as be- las vinhas da Casa De Santar. No final um bom banho para todos e o salutar convívio à volta do almoço de bicho no espeto com arroz de feijão, a torneira da cervejola sempre a dispo- sição e outra de vinho, para recompor os líquidos gastos em competição, para terminar um café e um digestivo para os que quiseram.


No cômputo geral podemos dizer que a organização está de parabéns, algu- mas falhas apontadas neste texto, que poderão e deverão ser corrigidas, para que na próxima edição, ainda seja tudo melhor.


Texto: Hélder Henriques Fotos: Rui Mendes


Carla Cabral-Clube BTT Seia


http://skullbreaker.deviantart.com/ http://500px.com/SkullBreaker


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100