This page contains a Flash digital edition of a book.
Saúde | Nutrição Desportiva


SUPLEMENTOS E PERFORMANCE – PARTE 1


Serão os suplementos indispensáveis para uma óptima performance? Que suplementos podem ser úteis para a minha modalidade? O doping é um risco real? Estas são algumas das questões que serão respondidas ao longo das próximas edições d’O Praticante.


S


uplementos dietéticos, nutracêuticos, suplementos des- portivos, suplementos ergogénicos e alimentos des- portivos são alguns dos termos usados para descrever a amplitude de produtos que colectivamente formam a indústria de suplementos para desportistas. Estes produtos en- quadram-se normalmente numa das seguintes definições: 1. Constituem uma forma prática e conveniente de atingir as suas necessidades nutricionais diárias (ex: barras ou géis des- portivos ricos em hidratos de carbono) ou de tratar uma defici- ência nutricional conhecida (ex: suplemento de ferro ou cálcio); 2. Contêm nutrientes ou outras substâncias que podem me- lhorar directamente a sua performance desportiva. No entanto, apesar de todo o marketing à volta dos suple- mentos, de acordo com o conceituado Australian Institute of Sport (AIS, 2009), a maioria dos produtos comercializados e publicitados actualmente não apresenta benefícios cientifica- mente comprovados para atletas e pessoas activas. A falta de mecanismos legais que regulem adequadamente a indústria dos suplementos tem permitido que muitas marcas “seduzam“ os consumidores com argumentos ditos científicos, que muitas vezes resultam de distorções da evidência existente ou mesmo invenções de benefícios atribuídos a determinados suplemen- tos.


Isto não implica que não existam substâncias capazes de conferir uma vantagem fisiológica adicional, contudo é preci- so cautela. Antes de experimentar algum suplemento, deve informar-se junto de fontes credíveis (ex: Dietista/Nutricionista especialista em Desporto) e estar ciente dos prós (ex: atingir “necessidades” nutricionais, efeitos comprovados na perfor- mance, praticabilidade, efeito “placebo”, etc) e contras (cus- tos, ausência de benefícios/efeitos secundários, doping, etc.) associados ao mesmo.


A título de exemplo, desde muito cedo se reconheceu que


o exercício físico extenuante aumenta a produção dos chama- dos “radicais livres”, os quais são tidos como deletérios (i.e. “maus”) para a saúde. Em consequência, a indústria dos suple- mentos rapidamente publicitou os suplementos “antioxidantes”, compostos que neutralizariam os radicais livres e consequen- temente melhorariam a recuperação e posterior rendimento do


Julho 2011 86


atleta. Mas o nosso organismo não funciona de forma assim tão simples e a mais recente evidência científica salienta que os ra- dicais livres são na verdade necessários (até certo ponto) para induzir as respostas fisiológicas pretendidas com o exercício. Como tal, a utilização desmedida deste tipo de suplementos pode não só representar um gasto desnecessário, como resul- tar numa desvantagem competitiva para o atleta. Moral da história: os suplementos devem ser usados de forma consciente e informada, na altura certa e pelos motivos certos. Tenha ainda em mente que ingerir uma variedade de alimen- tos o mais próxima possível da sua forma natural é de longe a melhor aposta para melhorar a saúde geral, prevenir doenças, optimizar processos de cura/recuperação e melhorar a perfor- mance.


Apesar de os seguintes alimentos parecerem tão vulgares, as


hortaliças, frutos, cereais integrais, carnes magras, lacticínios magros ou meio-gordos, oleaginosas e leguminosas tendem a ser, em perspectiva, melhores e/ou mais relevantes do que os suplementos. Estes alimentos são ricos numa combinação importante de vitaminas, minerais, fibras, proteínas, gorduras, hidratos de carbono, antioxidantes e fitoquímicos que os atle- tas precisam numa base diária para ter sucesso na sua prática desportiva.


Assim, só depois de aplicar o melhor método de treino, o melhor descanso (dormir 6-8h à noite) e as melhores práticas nutricionais à sua vida, é que estará preparado para considerar a ingestão de suplementos. Aconselhe-se com um profissional acreditado antes de investir o seu tempo e dinheiro em suple- mentos que podem apresentar mais riscos do que benefícios! Nas próximas edições d’ O Praticante serão abordadas as vantagens e desvantagens de vários suplementos em concreto, esteja atento!


Desejando-lhe a melhor performance de sempre,


Diogo Ferreira | Dietista Tel.: 961 249 167


diogoferreira.dietpt@gmail.com


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100