This page contains a Flash digital edition of a book.
Atletismo ESCALADA DO MENDRO EM TEMPO DE CRISE


Grande nível de participação na principal prova de montanha no Alentejo


N


a manhã do dia 23 de Junho teve lu- gar a Escalada do Mendro, prova en- globada no Campeonato Nacional de Montanha da Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada, com partida e chegada na vila alentejana da Vidigueira, com subida ao topo da Serra do Mendro, num percurso misto de alcatrão e terra de cerca de 12 quilómetros, com subidas inclinadas e descidas algo perigosas, com terra e pedras soltas a contribuírem para a perda de aderên- cia dos atletas e para se levantar muito pó, mais parecendo uma corrida de veículos de todo-o-terreno...


Em tempos que se dizem ser de crise, a or- ganização da Câmara Municipal da Vidiguei- ra resolveu tornar este evento num importante pólo de atracção de atletas e não só, tornan- do as inscrições gratuitas e oferecendo pré- mios bastante generosos para os melhores atletas, pelo que atletas bem conhecidos das provas de fundo em Portugal e que já repre-


Publicidade


sentaram a Selecção Nacional deslocaram-se até à Vidigueira com o intuito de obterem uma boa recompensa pelo esforço exercido. Além disso, a organização disponibilizava a todos os atletas lembranças regionais (no caso, uma garrafa de vinho da região, bastante afa- mada pela sua cultura vitivinícola), o usufruto inteiramente livre das piscinas municipais ao ar livre - e que instigavam os atletas a ba- nhos - e, finalmente, almoço gratuito a todos aqueles que envergassem a pulseira que era distribuída aos atletas aquando da entrega de dorsais, acabando o parque de merendas por ser exíguo para tantos pedidos... A prova contava ainda com uma caminha-


da de 7 quilómetros que coincidia em alguns locais com o percurso da prova principal, pelo que caminheiros e atletas tiveram de tomar re- dobradas precauções, sobretudo nos troços em descida para evitar acidentes que preju- dicassem a integridade física dos intervenien- tes e arruinassem a prova dos participantes na corrida, pois o caminho era estreito e im- pedia os caminheiros de irem em grupo. De notar também que o percurso da caminhada era exigente, e que alguns dos participantes podiam não estar aptos para o realizar, em- bora pensemos que o objectivo da organi- zação tenha sido precisamente o de levar os caminheiros a perceber as dificuldades pelas


quais os atletas da corrida tinham que passar e a apreciar a paisagem alentejana e a sua cor amarela, tão típica desta região na época estival.


Na vertente competitiva, o vencedor foi José Gaspar, do GD 3 Santos Populares, com um cronómetro final de 37’29”, batendo Pau- lo Gomes, da Conforlimpa por 4 segundos e Sérgio Silva, da Mendro Team, por 46 se- gundos. No sector feminino, a queniana Frida Mongole venceu com 44’12”, superiorizando- -se à espanhola Gema Martín Borgas, do CA Playas de Castellón por cerca de 5 minutos, tendo Raquel Trabuco (CF “Os Elvenses”) fe- chado o pódio já a quase 7 minutos da que- niana. Colectivamente, o Boavista do Pico foi o grande vencedor, batendo o Mendro Team e o CA da Barreira.


O CD Asas do Milénium / O Praticante ali- nhou com três atletas nesta prova: tendo em conta a concorrência, o 29º lugar geral de Custódio António (e 23º sénior) e os nonos lugares de Cármen Pires e Lurdes Henriques nos seus escalões conferiram um saldo bas- tante positivo à participação do Clube neste evento, com a esperança de para o ano tentar repetir e até incluir mais atletas nesta prova, que merece bem a afluência de atletas (e de algum público) que teve. Texto / Fotos: Timóteo Seia


19 Julho 2011


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100