This page contains a Flash digital edition of a book.
Orientação


Resultados Dia 2 Elite Masculina


1. Thierry Gueorgiou 28:38; 2. Søren Bobach 30:02; 3. Oleksandr Kratov 30:39; 4. Tue Lassen 30:58; 5. Olle Bos- tröm 31:08; 6. Hannu Airila 31:12; 7. Timo Sild 31:32; 8. Jonas Vytautas Gvildys 31:38; 9. Jerker Lysell 31:42; 10. Wojciech Dwojak 31:43. Elite Feminina


1. Simone Niggli 29:28; 2. Maja Alm 31:54; 3. Amé-


lie Chataing 32:05; 4. Saila Kinni 32:47; 5. Rachael Elder 33:08;6. Sara Lüscher 33:58; 7.Therese Klintberg 34:47; 8. Iveta Duchova 35:08; 9. Grace Crane 35:14; 10, Nadiya Volynska 35:24.


O QUE ELES DISSERAM...


É sempre um prazer voltar a Portugal, especialmente para es- tes fantásticos terrenos. E, evidentemente, para uma organização do Grupo Desportivo Quatro Caminhos, que significa realmente muito para mim. Já venho há vários anos ao Portugal O’ Meeting e espero poder continuar a vir por muitos mais. O primeiro dia não correu nada bem, apanhei uma espécie de um vírus, tive gran- des problemas de estômago e na segunda metade da prova paguei muito caro, com muitos erros e sobretudo uma enorme falta de força. Hoje já me senti melhor, perdi cerca de um minuto apenas, foi bom. O meu objectivo seria fazer quatro grandes provas. A primeira foi realmente muito má, mas espero que daqui em diante tudo corra bem até ao final do evento.


Ionut Zinca, Roménia


Lembro-me há quatro anos de ter vencido nesta região o Norte Alentejano O’ Meeting. Foi muito bom, gostei imenso, especial- mente por causa dos terrenos, excelentes. Estar de novo aqui é uma coincidência. Estou com a selecção da Finlândia num Campo de Treino, mas é evidente que estou muito contente por ter volta- do cá. Hoje achei o mapa mais técnico do que aquilo que estaria à espera, mas foi muito divertido, gostei imenso. As provas de ontem e de hoje fi-las calmamente, mas amanhã tentarei – se tiver forças para isso – correr mais.


Riina Kuuselu, Finlândia Voltar a Portugal é para mim uma bela oportunidade de fazer


bons treinos técnicos no Inverno. Temos aqui belos percursos e temos de ser bons com a bússola para enfrentar terrenos tão téc- nicos. As corridas são rápidas, o que resulta numa bela combina-


ção. Hoje cometi grandes erros, não conseguia localizar-me, não era o meu dia. Dois ou três erros aqui, numa prova de Distância Média, são sempre grandes erros. Amanhã veremos, vou dar o meu melhor. Repetir a vitória do Portugal O’ Meeting 2009 não vai ser fácil, estão aqui muito boas atletas.


Signe Soes, Dinamarca


Para mim, estar em Portugal é uma experiência nova. Estou a gostar muito dos terrenos, tem áreas muito técnicas e isso tem- -me causado algumas dificuldades para entrar no mapa. Depois da metade da prova em diante, as coisas já vão rolando melhor. Quanto à prova de hoje, uma vez mais errei muito no início. Penso que poderia ter feito um pouco melhor mas está dentro das expec- tativas. Afinal estamos aqui para treinar com vista aos Jogos Mun- diais Militares e em todas as provas colhemos novas experiências e ensinamentos. Até ao final, acho que tanto física como tecnica- mente vou ainda melhorar. Estes terrenos são muito exigentes e acho que vou continuar a aprender.


Ironir Alberto Ev, Brasil


Estou em Portugal pela primeira vez e estou a achar tudo muito bom. Óptima organização, óptimos mapas, terrenos interessantes, um estilo de cartografia muito próprio mas que aprecio. Na reali- dade, não tenho expectativas quanto a resultados, isto para mim é apenas treino. Não vejo a competição como o aspecto mais impor- tante, só quero divertir-me. Mas, evidentemente, se no final for o vencedor do Portugal O’ Meeting, será fantástico.


Oleksandr Kratov, Ucrânia 79 Maio 2011


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100