This page contains a Flash digital edition of a book.
Kickbpxing


cidade — para que estas atingem um patamar superior, como entrar nas Olim- píadas. O programa apresentado e desenvol- vido neste estágio superou as expecta- tivas dos 64 participantes entusiasma- díssimos, que passaram pelas técnicas do Semi, Light e do Full.


VELOCIDADE NO ESTÁGIO


Velocidade foi o tema dominante, e as excelentes demonstrações do mes- tre Hugo Matos surpreenderam todos os presentes, quer na aplicação dos golpes, quer nas esquivas. Certamen- te, esta aprendizagem fará a diferença nos nossos atletas nas próximas com- petições


OPINIÃO DO MESTRE HUGO MATOS


“O estágio correu bem, os atletas re- ceberam bem as informações e espero que não se esqueçam, porque é mui- to importante, é a base para todos os combates vem do semi e do light”. Os atletas locais: “em relação aos do continente no geral estão mais ou me-


nos iguais, em relação aos que eu treino não, pois eles têm mais (timing)”. O Kickboxing Açoriano terá potencial para atingir patamares mais altos, a ní- vel amador? “Sem dúvida!” não hesitou Hugo Matos.


Quem faz competição: “Tem que ter


muita força de vontade, persistência e espírito de sacrifício, se desistir nunca consegue, mas nós como guerreiros nunca podemos desistir até conseguir os nossos objectivos”. Aconselha aos treinadores: “ a incen-


tivarem os atletas a fazerem mais gol- pes isolados, para compensarem se- quências em que alguns golpes falham, e para isso é preciso trabalhar muito a velocidade” Produtividade: “Formação dos treinadores e estágios as duas coi- sas são importantes, mas um atleta não evoluiu só com um treinador, tem de estar actualizado, aprender mais com combates e rotatividade e, acima de tudo, encarar como divertimento”. Evolução: “houve muita em termos


de formação e do jogo dos atletas, e mesmo assim, ainda está aquém dos outros países, nas 3 variantes (semi, light e full)”, “os treinadores não estão actualizados no light, com as Selecções


começa a estar um pouco melhor”, “os dirigentes estão a dar mais importância ao K1 e Kick por razões obvias, enquan- to o semi, light e full que são as bases, estão a morrer por falta de promoção”. O nosso convidado faz parte da 2ª geração de treinadores do nosso país, estes fizeram todas as graduações, sem equivalências, participaram em mais eventos de competição e forma- ção, quer como atletas, quer como treinadores, por isso estão mais bem preparados do que os treinadores e/ou dirigentes da 1ª geração.


Por essa razão é natural que os mes- mos possam transmitir mais e melhor aos seus atletas, e estes deram um sal- to.


Esta nova geração de treinadores está a marcar a diferença por todo o país. Esperemos que brevemente acon- teça a mudança para novos rumos mais bem adaptados a nível do topo. Só assim se poderá aspirar a mais tí- tulos internacionais e, também, para se salvaguardar as bases que sustentam o Kickboxing.


Texto: Nuno Santos


57 Maio 2011


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100