This page contains a Flash digital edition of a book.
BTT SRP (SERPA) 2011 A ROMARIA ALENTEJANA DO BTT A Vila de Serpa engalanou-se para


receber os aventureiros da 4.ª Edição de BTT da intitulada “Ultra Maratona SRP160”.


Muitos rumaram a Serpa, logo na sex- ta-feira, pois no sábado adivinhava-se um dia pleno de puros trilhos. No dia da prova, cedo começaram a chegar muitas bikes, todas elas espe- lhadas no alto dos tejadilhos dos auto- móveis, conduzidos pelo amantes do btt que chegavam com um sorriso e enor- me prazer em poderem desfrutar desta aventura.


A organização (“Trilhos Vivos”), tinha a lição bem estudada no que respeitava ao padock do evento, pelo que sem demo- ras se procederam a todos os requisitos próprios de um evento de btt, começan- do pelas 07H15 os bttistas participantes a dirigirem-se para o Controlo 0. Eram 08H00! A aventura ía começar… observo a minha bike e cada peça de equipamento. Sinto o prazer e a nature- za de um grande privilegio por viver este momento.


Muitas caras conhecidas do btt e do ciclismo nacional marcaram presença. A partida foi dada a horas, os primei-


ros 6 kms foram percorridos muito rapi- damente por um longo estradão que nos levou até junto ao Rio Guadiana, agora presente com uma largura enorme, e umas cascatas lindas que quase nos fa- ziam parar de tanta beleza natural que se expunha perante o nosso olhar. Depois de uns single tracks junto ao rio, pedalávamos agora por longas rec- tas, subidas e descidas dignas do tradi- cional Alentejo verdejante, com a planí-


Publicidade


cie a contrastar com a serra.


O dia estava excelente para a prática da modalidade, viam-se longas filas de bikes, embelezando a paisagem com as mais diversas cores dos jersey’s dos par- ticipantes. O percurso bem marcado e cuidado- samente escolhido, levava-nos agora até à Mina de S. Domingos, o expoente má- ximo desta epopeia, onde por momentos o suor dos corpos e o cansaço dos qui- lómetros já percorridos são repelidos por uma vista fascinante, deste local onde tão nobre gente já colheu muito no dia a dia para a sua sustentação, ficando ago- ra uma paisagem inigualável, em tons acastanhados.


A simpatia das pessoas nas aldeias à nossa passagem alimentava o ego para os kms que faltavam percorrer, agora por


entre serras acompanhadas por vezes de algum alcatrão já muito batido. Foram diversas as ZA’s colocadas à disposição destes “heróis”, estrategica- mente colocadas.


Os últimos km foram feitos em alcatrão que nos levou de novo até a bonita Vila de Serpa, com o seu imponente Castelo, como que a dar-nos as boas vindas. À chegada encontrava-se uma enor- me moldura humana, que ia alentando os bttistas que chegavam a ritmo de conta-gotas, sorridentes de tão brava e grandiosa aventura. O dia foi exigente ao nível físico, mas muito compensador ao nível paisagístico.


A organização está de parabéns pois


presenteou-nos com um dia em cheio de puro btt… até 2012! Texto/Fotos: Armando Chamusco


Maio 2011 34


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100