This page contains a Flash digital edition of a book.
O que eu penso a respeito da obra Ulisses adaptada ao teatro é que é


uma forma dramática de expressar um texto qualquer e esta adaptação de Ulisses é formidável. A forma como foi começada a peça fugiu para a brincadeira, o que me


agradou muito. O desenvolvimento da história tinha a respetiva história e, por mais que os deuses, a jogar playstation, se esforçassem para que Ulis- ses perdesse, ele ultrapassou todos os obstáculos. A parte que eu mais gostei foi a do Polifemo. Achei-a extraordinária na


forma como eles transformaram um caso de perigo iminente numa brinca- deira. Esta é a minha opinião da adaptação da obra Ulisses ao teatro.


Na minha opinião, a peça de teatro, "Ulisses", foi muito interessante e


engraçada por várias razões. A primeira razão é que Ulisses era uma personagem de um jogo que os


deuses tinham no Olimpo. A segunda razão foi que os deuses inventaram inúmeras aventuras para


se divertirem com a aflição de Ulisses. A terceira razão é que Ulisses, no final de cada aventura, saía sempre são


e salvo. Também tinha ajuda de uma deusa, que o ajudava sempre quando ele estava em apuros. E, por fim, a última razão foi que Ulisses, no final de todas as aventuras,


voltou para Ítaca, para a sua adorada esposa e filho. Para mim ir ao teatro foi uma novidade da qual gostei muito. Já tinha


visto pequenas peças de teatro feitas por amadores, na escola e na cate- quese, mas ir ao teatro, feito por atores de verdade, é outra realidade. Durante a peça diverti-me imenso, porque no teatro a obra teve uma


abordagem diferente da obra que tínhamos estudado nas aulas, apesar de ter o mesmo fim. No teatro, os deuses manipulavam Ulisses como se fosse uma persona-


gem de um jogo de computador e conseguiram fazer com que ele ficasse com a mulher e o filho, após longos anos de luta e separação. Gostei especialmente do encontro de Ulisses com o seu filho Telémaco,


porque ele era muito brincalhão e divertido. Foi uma boa experiência que gostava de repetir.


33 Guilherme 6º B David 6º B Beatriz 6º B


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61