This page contains a Flash digital edition of a book.
 Located where the legendary Baquet Theatre once stood - which was inaugurated in the mid-19th century in the centre of Oporto and consumed by flames in 1888 -, the Hotel Teatro is one of the Madeiran designer’s most emblematic projects. With the perform- ing arts as her inspiration and with a sophisti- cated and dramatic style, the hotel not only pays tribute to Oporto’s cultural heritage, but it’s also one of the most comprehensive and appealing hotels in the city. Filled with refe - rences to the magic of the stage, the hotel excels with its welcoming and romantic ambience, featuring bronze and golden shades and various original elements, such as the doors at the hotel’s entrance - which bear a poem by Almeida Garrett - or the circular seat in the lobby in the shape of a film reel, evoking the refinement of bygone days. Equally, in the north of the country, Aquapura Douro in Lamego is another lead- ing project within the extensive portfolio of hotels designed by Nini Andrade Silva. Inau - gurated in 2007, the fabulous 5-star hotel is part of a 19th century quinta, with a sophis- ticated and welcoming environment in 


 animados a observarem o fundo do mar, temos de ter ideias diferentes, criar conceitos originais”. Sendo uma das figuras proeminentes no campo do design de interiores em Portugal, Nini Andrade Silva está incontornavelmente associada aos projectos de hotelaria, tendo ao longo dos últimos anos recebido os mais prestigiados prémios internacionais do sector, tais como o European Property Awards, atribuído recentemente ao Hotel Teatro no Porto. Localizado no local do lendário Teatro Baquet - inaugurado em meados do século XIX no centro do Porto, e que em 1888 foi consumido pelas chamas - o Hotel Teatro é um dos mais emblemáti- cos projectos assinados pela designer madeirense. Tendo as artes performativas como inspiração e assumindo um estilo sofisticado e dramático, o hotel presta não só homenagem à herança cultural portuense, mas igualmente assume-se como uma das instalações hoteleiras mais completas e apela- tivas da cidade. Repleto de alusões à magia do palco, o hotel destaca-se pelo ambiente acolhedor e romântico, sendo marcado pelos tons bronze e dourados, e por diversos elementos originais como as portas de entrada do hotel - que apresentam um poema de Almeida Garrett - ou o banco circular do


www.essential-portugal.com 56


lobby em forma de película, que faz lembrar o requinte de tempos idos. Igualmente no Norte do país, em Lamego, o


Aquapura Douro é outra das grandes referências no extenso portfólio de unidades hoteleiras desen- volvidas por Nini Andrade Silva. Inaugurado em 2007, o fabuloso hotel de cinco estrelas está enquadrado numa quinta do século XIX, apre - sentando um ambiente sofisticado e acolhedor, onde diversos elementos orientais – tais como a impressionante porta de entrada de 4x3 metros - desempenham um papel essencial na imagem zen e descontraída da unidade. Tendo a água e a harmonia com a Natureza circundante como base para o conceito do Aquapura, o hotel afirma-se como o retiro perfeito na deslumbrante zona do Vale do Douro. Sendo o primeiro Design Hotel que surgiu em


Lisboa, o Fontana Park simboliza na perfeição a fusão que Nini Andrade Silva efectua entre o oriente e o ocidente. Assumindo-se como um verdadeiro refúgio zen urbano, o hotel apresenta um ambiente cosmopolita e minimal, dominado pelo preto e branco e por inesperados aponta- mentos de verde, púrpura e materiais naturais, que nos remetem para destinos exóticos distantes. 


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104  |  Page 105  |  Page 106  |  Page 107  |  Page 108  |  Page 109  |  Page 110  |  Page 111  |  Page 112  |  Page 113  |  Page 114  |  Page 115  |  Page 116