This page contains a Flash digital edition of a book.
EssentialStyle


que chamou a atenção de Luís. “A Ana Salazar sempre teve uma atitude avançada em relação ao seu tempo. E a moda é mesmo isso, representa aquilo que não temos, mas que queremos ter: é aspiracional.”


A Ana Salazar é sócia da empresa que criou, agora juntamente com Luís e João, e continua a exercer a mesma posição de estilista dentro da empresa, se bem que a uma escala muitíssimo maior. “Actualmente não desenha a integralidade das peças, isso seria impossível; mas é de facto quem dá orientações de tendência e vota e veta as peças para produção.” E apesar de conceder total liberdade de criação à estilista, Luís assume- -se omnipresente nas diferentes áreas que concernem a empresa. “Tenho uma visão macro- económica, mas para ter uma noção real do que se passa na empresa considero fulcral a proximi- dade com a chamada frontline, que lida directa- mente com os clientes e com os produtos”. No último ano, sob a direcção de Luís, muitas


acções foram encetadas no sentido de desmisti- ficar o culto à Ana Salazar, que de certa forma limi - tava o desenvolvimento da empresa, e passar o valor do ícone Ana Salazar para o valor da marca Ana Salazar. “A empresa tinha um posicionamento muito alto, com uma clientela muito restrita e elitista e isso espartilhava o seu crescimento”. O resultado é uma colecção mais piramidal, mais diversificada e abrangente, com entrada de peças mais jovens, mais acessíveis, e 100% made in 


 extremely rare case.” Over her 30-year career, the Portuguese designer created a brand that caught Luís’s eye. “Ana Salazar has always been ahead of her time. And fashion is just that, it represents what we don’t have but want: it’s aspirational.”


Ana Salazar is a partner in the company she created, now alongside Luís and João, and still carries out the position of designer within the company, even if it is at a much larger scale. “At the moment, she doesn’t design all her pieces; that would be impossible. But she’s the one who actually gives direction on trends and chooses and vets pieces to be made.” And although he gives the designer complete creative freedom, Luís is involved in all the different areas that concern the company. “I have a macroeconomic vision, but to have a real idea of what’s happening in the company, I believe that being at the so- called ‘frontline’, which deals directly with the clients and the products, is crucial.” In the past year, under Luís’s manage- ment, many measures have been taken to demystify the Ana Salazar label, which in 


 em 2006 vim para a Europa.” Com residência oficial na Alemanha Luís viveu três anos em trân- sito entre Paris e Milão, as capitais europeias da moda, trabalhando para empresas suas e de outros. “Em 2009 vim para Portugal, mas não sem antes pensar no que iria fazer”. Das suas ligações com empresas de private equity e de investimento chegou à Ana Salazar, numa altura em que a própria procurava quem entrasse para o capital da empresa para criar uma nova fase da vida da empresa. Juntamente com João Barbosa, também ele ligado a actividades de private equity, adquiri- ram a maioria da empresa em Setembro de 2009. Luís detém outros negócios e actividades em


Portugal, também eles no universo da moda, mas este seu último ano tem sido inteiramente dedi- cado à empresa Ana Salazar. E é fácil perceber porquê. Empresário nato, Luís Aranha soube reconhecer o potencial da marca Ana Salazar e soube, também, implementar uma estratégia viabilizadora desse potencial. “Trata-se de uma empresa de moda que efectivamente tem como base uma estilista. Em Portugal é um caso rarís- simo”. Ao longo dos seus 30 anos de carreira a estilista portuguesa criou um universo de marca


www.essential-portugal.com 38


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104  |  Page 105  |  Page 106  |  Page 107  |  Page 108  |  Page 109  |  Page 110  |  Page 111  |  Page 112  |  Page 113  |  Page 114  |  Page 115  |  Page 116