This page contains a Flash digital edition of a book.
EssentialWatches


 will feel that there is something new hid- den behind its exterior, and it’s not just the double balance spiral on the regulating organ. In reality, the geometry and the preva- lence of straight horizontal lines, the space between which reveals art and detail, trans- form this clearly traditional movement into something completely new and surprising. This conception could only come from a creative genius who, throughout the decades, has been influenced by an unequivocally acclaimed style amongst collectors and amateur collectors of the very best that haute horlogerie has to offer. We could write chapter after chapter about the nuances and the truly exceptional details of this watch, but just looking at the aesthetic balance of the dial, the case and the calibre that’s inherent is enough to trans- port us to another reality, where creative inspiration flows directly from some of the biggest names in old-fashioned English, French and Swiss watchmaking. Laurent Ferrier’s Galet Classic Tourbillon Double Spiral will undoubtedly be a piece that will go down in history and that very few will have the privilege to own. 


 nenhum ponto um respeito inerente aos códi- gos da alta relojoaria tradicional. Inspirado directamente nos famosos cronó -


metros de competição e apresentando-se sob uma aparência discreta com ênfase na qualidade e na precisão, Laurent Ferrier não conseguiu no entanto ocultar a influência de uma vida inteira ao serviço da Patek Philippe. O movimento FBN916-01 transpira todo o universo relojoeiro construído e protegido ao longo de décadas pela família Stern, mas ao mesmo tempo transcende-o, como se na realidade assistíssemos a um novo capítulo da história dessa manufactura. Laurent Ferrier logrou com o “Galet Classic Tourbillon Double Spiral” criar uma realidade para além da Patek Philippe, mas que ao mesmo tempo não nega toda uma influência que um bom número de marcas de alta relojoaria suíça se esforça por recriar há décadas, sem qualquer sucesso. Algo que Laurent Ferrier alcançou com uma espantosa naturalidade e logo à primeira tentativa. É impossível ficar indiferente à tradição secular


representada pela visão da gaiola do turbilhão desta criação, acompanhada pelas pontes e platina decoradas com as tradicionais “Côtes de Genève”. No entanto, e mesmo perante este conjunto relati- vamente habitual numa peça de excepção de alta


relojoaria, manifesta-se no observador mais atento um sentimento de que algo de novo se oculta por detrás deste conceito, e que não se faz representar apenas através da utilização de uma dupla espiral sobreposta no órgão regulador. Na realidade, a geometria e a preponderância de linhas rectas horizontais, assim como o espaço maior que as separa revelando arte e detalhe, transformam este movimento de cariz marcadamente tradicional em algo totalmente novo e surpreendente. Uma con- cepção que em si mesma apenas poderia ter saído de um génio criativo que ao longo de décadas se deixou influenciar por um estilo inequivocamente aclamado entre coleccionadores e iniciados no domínio do melhor que se faz na alta relojoaria. Seria possível escrever capítulo após capítulo


sobre as nuances e detalhes verdadeiramente excepcionais deste relógio, mas a simples obser- vação do equilíbrio estético do mostrador, da caixa e do calibre que lhe é inerente, é suficiente para nos transportar para uma outra realidade onde a inspiração criativa fluiu directamente dos maiores nomes da relojoaria inglesa, francesa e suíça do passado. O “Galet Classic Tourbillon Double Spiral” de Laurent Ferrier será inequivocamente uma peça que irá ficar para a história e a que apenas poucos terão acesso. 


WWW.ESSENTIAL-PORTUGAL.COM 25


Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68  |  Page 69  |  Page 70  |  Page 71  |  Page 72  |  Page 73  |  Page 74  |  Page 75  |  Page 76  |  Page 77  |  Page 78  |  Page 79  |  Page 80  |  Page 81  |  Page 82  |  Page 83  |  Page 84  |  Page 85  |  Page 86  |  Page 87  |  Page 88  |  Page 89  |  Page 90  |  Page 91  |  Page 92  |  Page 93  |  Page 94  |  Page 95  |  Page 96  |  Page 97  |  Page 98  |  Page 99  |  Page 100  |  Page 101  |  Page 102  |  Page 103  |  Page 104  |  Page 105  |  Page 106  |  Page 107  |  Page 108  |  Page 109  |  Page 110  |  Page 111  |  Page 112  |  Page 113  |  Page 114  |  Page 115  |  Page 116